quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Madeiras brasileiras, belas



IPT Responde
O que dizem as normas brasileiras sobre o uso de estruturas de madeira em edificações multipavimentos?
Conheça as espécies com maior resistência mecânica, ideais para estruturas mais robustas
Edição 209 - Agosto/2014
Estruturas de madeira
O que dizem as normas brasileiras sobre o uso de estruturas de madeira em edificações multipavimentos? Quais as madeiras com melhores resistências à compressão e à  flexão?














Conforme a abordagem de códigos de outras estruturas, à medida que o edifício cresce em altura, maior a preocupação com a ação do vento, as consequências decorrentes de pequenos desaprumos ou excentricidades, a necessidade de maior resistência contra ação de incêndios etc. Maior também a preocupação com a efetividade das ligações, dos contraventamentos e dos enrijecimentos, com instabilidades localizadas, risco de colapso progressivo e efeitos de segunda ordem em geral.

A rigor, mediante corretos dimensionamento e execução, qualquer madeira com massa específica razoável, superior digamos a 500 kg/m³, pode ser empregada em edificações com mais de um pavimento. A preferência por madeiras mais densas, com massa específica da ordem de 800 kg/m³ a 1.000 kg/m³, passa pela possibilidade de peças com bitolas menores e, até mais do que isso, maior resistência aos agentes xilófagos (cupins, brocas, fungos apodrecedores etc.). O Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT) dispõe de farto material sobre o uso de madeira na construção civil, podendo-se citar, dentre outras publicações, a Ficha de Características das Madeiras Brasileiras e o Catálogo de Madeiras Brasileiras para a Construção Civil, sendo que esta última publicação pode ser baixada gratuitamente no site www.ipt.br/centros_ tecnologicos/CT-FLORESTA.

Com base nas características indicadas nas referidas publicações, algumas das espécies com elevada resistência mecânica são: Angelim-amargoso, Angelim- pedra, Angelim-vermelho, Cumaru, Cupiúba, Garapa, Jatobá, Pau-roxo, Piquiarana, Uxi, Oiticica-amarela, Tauari e Tauari-vermelho.
Ercio Thomaz
Centro de Tecnologia do Ambiente Construído (Cetac)